terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Acaso

Hoje sonhei que era verdade. Que tu eras mais luz e que eu era novamente treva.
Na vertigem de uma luta desigual, o cansaço venceu a sorte e o amor. Fugi desgrenhado, por esse caminho empedrado que tem término no acaso.
Perdi-me então de mim mesmo, num mar de constelações negras e de fundas feridas...

Francisco Mota, Fevereiro de 2011

3 comentários:

Secreta disse...

Por vezes, precisamos perder-nos , para nos reencontrar!

Sonhadora disse...

Quantas vezes os caminhos que percorremos, nos afastam do que queremos e aí deixamo-nos ficar em algum lugar dentro de nós.
Obrigada pela "rosa virtual" que me deixaste.

Beijo
Sonhadora

xana2fonseca disse...

francisco tão lindo... foste tu que escreveste? estou adorar o teu blog. Parabéns! bjs